Disciplinas essencias do Professor e preparo de qualidade da EBD

PLANO DE AULA DA EBD
Segue abaixo os passo a passo do estudo da lição, bem como orientações para preparação da aula didaticamente, lembre-se o preparo didático é responsabilidade sua, mas nada faça sem orientação do Espírito Santo:
1 CONTATO
– Ore a Deus pedindo orientações;
– Leia a lição da semana apenas;
– Leia novamente, também as referências bíblicas;
2 CONTATO
– Leia cada tópico ou divisão individualmente buscando entender ponto por ponto;
– Busque no dicionário significados das palavras desconhecidas;
– Marque os pontos chaves ou mais importante;
– Finalmente relacione os pontos principais buscando entender à idéia principal;
3 CONTATO
– Leia livros ou artigos relacionados ao assunto;
– Busque ilustrações pertinentes através de leituras e observações;
– Relacione o assunto da lição a algum acontecimento atual ou recente
PREPARAÇÃO DA LIÇÃO
– Defina para quem é a lição ou grupo de pessoas;
– Descubra em qual espaço (local aberto ou fechado) a lição será ministrada;
– Decida quais materiais serão usados (visuais auditivos e outros);
– Descubra qual tempo de aula e os objetivos
– Relacione a lição com os alunos que receberão o aprendizado;
– Faça um esboço da lição colocando o conteúdo em ordem;
– Defina as prioridades caso haja imprevistos;
– Reflita se o conteúdo da aula proposta é importante para os alunos e por que.
– Entusiasmo e amor pelos alunos e a palavra de Deus é o segredo para vitória.
Obs. O preparo não é apenas na área intelectual (conhecimento), mas também
Físico e espiritual.
Anúncios

Em que acreditamos verdade biblica ou em tradições ? – Hermenêutica

Na qualidade de estudioso teológico procuro analisar, refletir e defender a verdade cristã.

Observando os que se dizem teólogos ou conhecedores das verdades cristãs percebo que vários defendem o seguinte “irmão isto sempre foi assim”; “Nossos pais, pastores e professores ensinaram assim”. Mas, as “verdades” que defendem nem sempre são porque buscaram examinaram e aprenderam de verdade, hermeneuticamente falando, ou seja, não há convicções próprias.

Ser queremos um evangelho genuíno e sustentável devemos ser cuidadosos no estudo da bíblia sagrada, seguindo o exemplo o exemplo dos irmãos “bereanos que conferiam ser era assim na palavra”

Hermenêutica como ciência (princípio) e a arte (tarefa) o sentido do texto.

*Como ciência a hermenêutica enuncia princípio, investiga as leis do pensamento e da linguagem e classifica seus fatos.

*Como arte, ensina como esses princípios devem ser aplicados e comprova a validade deles.

*A finalidade da hermenêutica é revelar o sentido da verdade bíblica. Isto nos leva a pergunta o que é a verdade? No antigo testamento a verdade é “emeth” que significa ser firme. É a verdade como uma característica de Yavé, pois as palavras de Yavé atuam como regras de verdade. Este era o fundamento da sociedade hebraica.

*No novo testamento a verdade é Aletheia tem significado de algo que não esta oculto, o que é revelado.

Pastor afirma em livro que ninguém ira para o inferno

Publicado por fernando em quinta-feira – 3 de março de 2011 // Nenhum Comentário

O nome do pastor Rob Bell esteve entre os 10 assuntos mais comentados no Twitter. São os chamado TT ou Trending Topics, que servem para medir a popularidade de um termo no microblog. Tudo por conta de uma crítica ao seu novo livro.

O teólogo Justin Taylor postou no blog The Gospel Coalition uma análise bastante negativa de Love Wins: Heaven, Hell, and the Fate of Every Person Who Ever Lived [O amor vence: céu, inferno e o destino de todas as pessoas que já viveram] que será lançado no final de março pela editora Harper One.

Bastou o pastor John Piper tuitar um enigmático “Adeus Rob Bell” com um link para o texto de Taylor para o debate começar.

Em pouco tempo, mais de 12.000 pessoas haviam “curtido” o post de Taylor no Facebook. O artigo foi comentado no blog mais de 650 vezes. Muitos defendiam Bell, enquanto outros o atacavam. O debate cresceu e, como é comum no Twitter, pessoas tuitavam sem parar, perguntando por que o pastor estava nos TTs, enquanto alguns defendiam Bell e outros defendiam Piper e Taylor. Sobrou até para o perfil @realRobBell, que pertence a um artista plástico inglês que não entendeu porque estavam falando tanto em seu nome e fazendo perguntas de algo que ele desconhecia.

“Nunca vi nada parecido com isso. A explosão de tráfego testemunha o poder dos blogs para o debate teológico de hoje em dia”, disse Collin Hansen, diretor editorial do Gospel Coalition. “Mas o grande interesse pelo assunto também nos lembra que estamos lidando com vida e morte, questões de importância eterna.”

O teólogo Scot McKnight minimizou o caso: ”Ainda não vi nada parecido. A rapidez das redes sociais fez essa questão ser muito debatida… hoje. Daqui a uma semana tudo será passado… Mas preciso esperar e ver o que Rob Bell escreveu neste livro para então dar minha opinião… É lamentável que alguém da envergadura de John Piper tenha escrito uma mensagem pública de desaprovação… ele deveria ter ligado ou escrito uma mensagem pessoal”.

Com toda a atenção que Taylor recebeu, acabou reescrevendo parte do post devido às acusações de críticas excessivas a Bell e por tê-lo julgado publicamente. Assim, o teólogo preferiu eliminar a citação que encerrava a postagem: 2 Coríntios 14:15, que fala sobre Satanás tomar a aparência de um anjo de luz. Mas o tom crítico permaneceu. Em seu texto, Taylor afirma:


É indescritivelmente triste quando os que são chamados para serem ministros da Palavra pervertem o evangelho e enganam o povo de Deus com falsas doutrinas. Mas é melhor para os que ensinam falsas doutrinas colocarem suas cartas na mesa (como faz Brian McLaren) em vez de usar uma terminologia cuidadosamente ambígua.


Fico feliz que Rob Bell tenha a integridade de colocar suas cartas na mesa ao falar sobre o universalismo. Parece que não se trata de otimismo quanto ao destino daqueles que não ouviram as Boas Novas, mas parece ser um universalismo escancarado, onde o inferno está vazio e todos se salvarão”.

Estranhamente, Taylor admitiu não ter lido todo o livro, apenas alguns capítulos a que teve acesso. Contudo, ele afirma que viu o bastante no vídeo de lançamento produzido pela editora, onde Bell afirma que ninguém pode dizer com certeza quem está ou não está no inferno.

O argumento-base de Rob Bell, que dá título ao livro, é que o amor vencerá no final. O release da editora explica:

“Bell aborda um dos temas mais controversos da fé: a vida após a morte. Ele argumenta que um Deus amoroso nunca condenaria almas humanas ao sofrimento eterno. Com sua percepção aguçada, Bell coloca o inferno em julgamento. Sua mensagem é, decididamente, que a vida eterna não começa quando morremos, começa agora. E, no final, o amor vence”.


Para os seus críticos, essa parece ser uma “confissão” de que Rob Bell está se afastando de um dos alicerces da fé cristã contida na Bíblia: a salvação apenas daqueles que creem em Jesus.


A conceituada revista Christianity Today rapidamente abordou o debate em sua edição online. A colunista Sarah Pulliam Bailey menciona que nenhuma das outras resenhas disponíveis, assinadas por Denny Burk, Alex Chadiak, ou Kevin DeYoung foram tão contudentes.
Antes de seu lançamento, muitos cristãos já estão falando sobre o livro de Bell, o que certamente garantirá v
endas elevadas. Dada a influência que ele tem sobre um grande número de jovens evangélicos, é de se esperar que o debate chegue rapidamente às igrejas. Julgando pelos milhares de tuítes que o assunto já gerou (prós e contra) nos últimos dias, não será surpresa se voltar outras vezes aos TTs.

Fonte: Gospel +