PROFESSOR X ALUNO EM SALA DE AULA

INTRODUÇÃO

O educando é visto como uma pessoa de direitos, que possui inteligência múltiplas sendo o co-autor de sua própria aprendizagem. Atualmente fala-se mais em processos de aprendizagem que se preocupa em como o aluno aprende.
Devemos observar que cada aluno tem as suas particularidades, por isso como diz Agostino “Em essência somos todos iguais, porém devemos respeitar as diferenças”.

O que oferece mais o aprendizado, á dúvida ou a reposta pronta?
Quando o aluno analisa a pergunta a possibilidade de aprendizagem é maior.

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO ALUNO:
– Ser respeitado no seu modo de pensar;
– Respeitado nas suas limitações;
– Ser sentir amado, importante;
– Ser integrado na classe, de modo que seja envolvido em tudo.
CORREÇÕES PARA APRENDIZAGEM:
– Domine a sala, não deixe o aluno dominar;
– Interrompa o aluno educadamente, caso ele fale demais;
– Caso o aluno pergunte, devolva ao grupo para interação;
– Caso a pergunta seja impertinente responda curtamente, com retomada rápida;
– Procure eliminar os ruídos da comunicação.
– O professor não pode estar alienado de sua classe, considerando-o aluno somente como um – receptor – de mensagens, mas como alguém que tem uma alma, que tem suas necessidades e, sobretudo, deseja ir para o céu.
ALUNO (DEPARTAMENTO ADULTO)
– Apesar das opiniões definidas, precisamos mostrar pelo nosso conhecimento a importância do que estamos demonstrando;
– Interessante estabelecer debates, coordenando para uma conclusão.
– Cuidando para que o Assunto abordado não venha causar discórdia ao chegar à conclusão do mesmo (visto que os alunos têm que sair da aula pensando de igual modo).
ALUNO (DEPARTAMENTO JUVENIL)
– Precisam de assuntos atualizados, dinâmico;
– Ser estimulados a desenvolver atividades internamente e externamente;
– Ser estimulados a desenvolver a mente, pois a facilidade para pensar e agir é muito grande.
ALUNO (DEPARTAMENTO INFANTIL)
Quando o assunto é demonstrado através de visuais, cativamos o aluno;
– O assunto precisa ser explanado na linguagem infantil;
– Os alunos precisam de amor;
– Procure ensinar e relembrar os respeitos básicos as pessoas.
– Ensinando e pensando que futuramente, serão eles os professores da EBD, tendo como pensamento a educação para um bom comportamento.
CONCLUSÃO
Dentro da sala de aula o aluno é o mais importante, por isso adapte a sua aula para que o aluno aprenda da melhor forma, busque entender o assunto do ponto de vista do aluno, e mantenha-se atualizado com tudo.

Fontes: Mestres (CPAD) Pr. Marcos Tuler, Pedagogo Esdras Bentho, Claudionor de Andrade entre outros.
Anúncios

A ARMADURA DE DEUS

(ARMAS DE NOSSA MILÍCIA)
Efésios 6.7-20
 “Ninguém que serve como soldado se envolve em negócios da vida civil, porque deseja satisfazer aquele que o alistou.” 2 Tm 2.4
LIÇÕES DO TEXTO
·      Vers. 7-9 – Na Palavra de Deus existem orientações práticas para vida espiritual quanto á vida cotidiana, Bíblia Sagrada Regra de prática e Fé do cristão (2 Tm 3.16,17);
·      Vers. 10 – O Senhor é nossa força, pois em nós mesmos há fraqueza e falhas, a humanidade depende de Deus (2 Co 12.9,10; Ne 8.10; 2 Tm 2.1);

·      Vers. 11 – 13 – É evidente que a luta é na dimensão espiritual, da qual é necessária armadura espiritual de Deus para vencer e ficar firme (2 Co 10.3,4);
·      Vers. 14 (Cinto e Vestido de Couraça) – Cinto se refere à firmeza e segurança da armadura através da verdade (Bíblia e Jesus) e Couraça de retidão no caminho.
·      Vers.15 (Calçados: base e movimento) – Preparação e pregação dá Palavra (IDE Mc 16.15);
·      Vers. 16 (Escudo) – Proteção por meio da Palavra e oração contra as setas do inimigo;
·      Vers. 17 (Capacete e Espada) – Certeza da salvação e por meio da Palavra ataque ao adversário e destruição das fortalezas (Mt 4.1-11; Esdras 7.10)
·      Vers. 18 (Oração e vigilância) – A oração mantém o crente em contato com Deus 24hs do dia e a vigilância o preservam de muitas tentações e provas (Mt 26.41).
·      Vers. 19, 20 – Ao fazer a obra existem dois lados: o preparo humano e a capacitação que vem de Deus diante dos desafios (At 10.38).
“A armadura serve para proteção e também para ataque, qual é a luta que estamos travando física ou espiritual.”
Propósito do Aprendizado
Conscientização de estar revestidos como um bom soldado pronto para batalhar e a firmeza diante das adversidades.
Fonte: Bíblia de Ajudas Adicionais, Editora: Alfalit Brasil, entre outros.
Estudo elaborado pelo Prof. e Diác. Robson G, Santos.
Contato: (27) 8856-3466 / 9824-7238 
Obs.: Ministrado na AD em Colina (Cariacica/ES), Culto de Doutrina, 25/06/12.

Subsídios e Dinâmicas da Lição 01 (3º Trimestre): No Mundo Tereis Aflições

Professoras e professores, para esta lição e panorâmica do trimestre, apresento as seguintes sugestões:
1 – Iniciem a aula, cumprimentando os alunos, perguntem como passaram a semana. Escutem atentamente as falas dos alunos e observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração. Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Compreendem a importância desse ato?
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
2 – Façam a  panorâmica do trimestre, apresentando:

 O Tema: Vencendo as Aflições da Vida – Muitas são as aflições do justo, mas o Senhor o livra de todas.
– A capa:
O que vemos?
Armadura que nos remete a defesa, proteção.
Paisagem que nos transmite calma, tranquilidade.
O que a figura tem a ver com o tema?
A armadura que possuímos em Deus que nos protege e nos ajuda a vencer as dificuldades e saber que Deus nos leva a verdes pastos e águas tranquilas(Sl 23.02).
– Comentarista: Pastor Eliezer de Lira e Silva. Há algumas informações sobre ele na “Interação” da lição 01. Apresentem uma foto, se possível.
– Lições do trimestre: Apresentem os temas a serem estudados da seguinte forma: Vocês leem o título da lição e os alunos o texto áureo.

3 – Agora, comecem o estudo da lição 01: No Mundo Tereis Aflições.

– Para trabalhar o tema do item I, procurem apresentar reportagens sobre os tipos de aflições quer sejam de causa natural, econômica e física. Em seguida, contextualize este tema para o tipo de classe que você ensina.

– Afirmem que os crentes não estão livres de sofrer dificuldades, pois a causa do sofrimento refere-se a queda humana, através do pecado, e  em consequência trouxe  a degeneração do homem à nível social, moral e espiritual.

– Agora, perguntem: Como podemos vencer as aflições? O que as dificuldades podem promover em nós?
Aguardem as respostas. Depois utilizem a dinâmica “Vencendo o Gigante”. 

– Para concluir a aula, sugiro a leitura do texto “O Bordado”, que proporcionará a reflexão de que Deus está no controle, a soberania divina e Sua vontade.
Objetivo: Refletir sobre as condições para vencer os obstáculos, os problemas e aflições.

Material: ½ folha de papel ofício e caneta para cada aluno.

Procedimento:
– Entreguem ½ folha de papel ofício para cada aluno.
– Solicitem que cada aluno desenhe uma figura humana grande e outra pequena, que representarão um gigante e ele(o aluno) respectivamente.
– Peçam para que o aluno reflita sobre qual o “gigante” que está perturbando sua vida, isto é, aquilo que está causando dor, sofrimento etc.
– Leiam: I Sm 17. 23,24,37,40,41,42,48,49.                                                   
– Solicitem que desenhe 05 pedras ao lado da figura pequena, que representarão as atitudes que ele dever ter para vencer o gigante(o problema, a dificuldade).
Por exemplo: paz, confiança em Deus, oração, jejum, conselho etc.
– Para concluir, leiam Salmo 34.19 e João 16.33.

Texto de Reflexão: O Bordado

Quando eu era pequeno, minha mãe costurava muito. Eu me sentava no chão, brincando perto dela e sempre lhe perguntava o que estava fazendo. Ela respondia que estava bordando. Todo dia era a mesma pergunta e a mesma resposta. Observava seu trabalho de uma posição abaixo de onde ela se encontrava sentada e repetia
– Mãe, o que a senhora está fazendo?
Dizia-lhe que, de onde eu olhava, o que ela fazia me parecia muito estranho e confuso. Era um amontoado de nós e fios de cores diferentes, cumpridos, curtos, uns grossos e outros finos. Eu não entendia nada. Ela sorria, olhava para baixo e gentilmente me explicava:
– Filho, saia um pouco para brincar e quando terminar meu trabalho, eu chamo você, coloco-o no meu colo e deixarei que veja o trabalho da minha posição, está bem?
Mas, com toda aquela curiosidade infantil, eu continuava a me perguntar lá de baixo:
“Por que ela usa alguns fios de cores escuras e outros claros? Por que eles me parecem tão desordenados e embaraçados? Por que estavam cheios de pontas e nós? Por que não tinham ainda uma forma definida? Por que demorava tanto para fazer aquilo?”
Bem mais tarde, quando eu estava brincando no quintal, ela me chamou:
– Filho, venha aqui e sente-se em meu colo; quero lhe mostrar uma coisa.
É claro que fui correndo, louco para ver a sua obra acabada. Eu sentei no colo dela e me surpreendi ao ver o bordado. Não podia acreditar! Lá de baixo parecia tão confuso e, agora, vendo de cima, vi uma paisagem maravilhosa! Como podia ser?
Então, minha mãe me disse:
– Filho, vendo de baixo, tudo parece tão confuso e desordenado porque você não via que na parte de cima havia um belo desenho. Mas, agora, olhando o bordado da minha posição, você sabe o que eu estava fazendo…
Muitas vezes, ao longo dos anos, tenho olhado para o céu e dito:
– Pai, o que estás fazendo?
Ele parece responder:
– Estou bordando sua vida, filho.
E eu continuo perguntando;
– Mas está tudo tão confuso, Pai, tudo em desordem… Há muitos nós, fatos ruins que não terminam e coisas boas que passam rápido. Os fios são tão escuros… Por que não são mais brilhantes?
O Pai parece me dizer:
– Meu filho, ocupa-te, descontrai-se, confie em Mim e Eu farei bem o meu trabalho. Um dia colocarei você no meu colo e, então, você vai ver o plano da sua vida da minha posição!
Muitas vezes não entendemos o que está acontecendo em nossas vidas. As coisas são confusas, não se encaixam e parece que nada dá certo. É que estamos vendo o avesso da vida. Do outro lado, Deus está “bordando”…
Autoria desconhecida.

PROGRAMAÇÕES ESPECIAIS – AD EM COLINA, CARIACICA (ES)


PROGRAMAÇÕES SEMANAIS
CULTOS: SEGUNDA, QUINTA-FEIRA, 3º SÁBADO E DOMINGO (MANHÃ E NOITE)
25/06 – SEGUNDA-FEIRA – ÁS 19:00 
Oração (propósito: salvação e renovação espiritual) e Ensino da Palavra.
Preletor: Diác. Robson Santos (Armadura de Deus – Defesa do Cristão)
27/06 – QUARTA-FEIRA – ÁS 19:20
4ª Aula Discipulado (Igreja) – Tema: Batismo em águas (com abordagem da Trindade “Introdução”)
Culto no Lar (casa… ). Informe-se com Diác. João Raimundo.


28/06 – 4ª QUINTA-FEIRA – ÁS 19:00 (CAMPANHA: JESUS RESTAURA) TRAGA ALGUÉM PARA SER ABENÇOADO JUNTAMENTE COM VOCÊ)

Culto de Restauração por meio da Palavra de Deus, Venha ser abençoado !!
Preletor (a): Cleones da Silva (Deus é Amor)


29/06 – SEXTA-FEIRA – ÁS 19:10 
Ensaio: Mocidade 

30/06 – SÁBADO – Dás 07 ás 08hs 
Consagração com todos: Oração em favor da família.

30/06 – SÁBADO – 19hs – CRUZADA EVANGELÍSTICA
LOUVORES DE ADORAÇÃO E PREGAÇÃO DA PALAVRA COM EV. ERMENEGILDO BONFIM.

01/07 – DOMINGO – ÁS 07HS – (EBD)
Consagração e Escola Bíblica Obs.: Consagração com Jovens e Adolescentes. 
NÃO PERCAM, SEJA UM PARTICIPANTE, IMPERDÍVEL!! 

01/07 – DOMINGO – ÁS 18:50HS – (Culto de Santa Ceia)
Louvor e Adoração, Pregação da Palavra do Senhor!!
Preletor: Surpresa
MOMENTOS DEVOCIONAIS
SEGUNDA Á SÁBADO: Oração de madrugada ás 03hs em prol de salvação de almas respectivamente residencial. 

TERÇA-FEIRA: Momento familiar, fortalecimento dos laços familiares.

SEGUNDA, QUINTA E DOMINGO: Jejum Congregacional para renovo espiritual

SEGUNDA-FEIRA: Oração dás 19hs ás 19:50.

QUINTA-FEIRA Oração dás 19:00 ás 19:30.

SÁBADO: Oração dás 07hs ás 08hs.

DOMINGO: Oração dás 07hs ás 07:50 e 18:50 ás 19:05.

SEGUNDA-FEIRA (NOITE) E DOMINGO (MANHÃ): Estudo da Palavra de Deus.

AGENDA 2012
30/06 (Sábado), 18:30 – Cruzada Evangelística – Local: Colina.
07/07 (Sábado), 18:30 – Encontro Casais (Local: Colina)
20, 21 e 22/07 – Festividade: Conjunto Jovens (Local: Colina)
15/09 (Sábado) – Ceia Geral – Confraternização (Local: Sede)
21, 22 e 23/09 – Festividade: Circulo de Oração (Local: Colina)
Obs.: Para maiores informações favor contactar: Diác. Robson Santos / robson_dinamico@hotmail.com

TEXT0 05. COMO JESUS ATRAÍA AS MULTIDÕES


Começando por onde estão as necessidades das pessoas quando prega ou ensina, você imediatamente ganha a atenção de sua audiência. Todo bom comunicador entende e usa este princípio. Um bom professor sabe como começar onde está o interesse dos estudantes e então os levar para a lição a ser estudada. Um bom vendedor sabe que sempre deve iniciar falando sobre a necessidade do consumidor e não a respeito do produto. Você começa onde o povo está e o leva para onde quer que ele esteja.


Pegue qualquer livro sobre o cérebro e você vai descobrir que na base dele existe um filtro chamado “sistema reticular de ativação”. Deus graciosamente pôs esse filtro em nossa mente, para que não necessitássemos de conscientemente responder a milhões de estímulos com que somos bombardeados diariamente. Se você tivesse que conscientemente responder tudo que os seus sentidos detectam, ficaria louco.

O seu sistema reticular de ativação continuamente seleciona o que você deve ver, ouvir e cheirar, escolhendo apenas alguns estímulos para a sua consciência. Desta forma, você não é sobrecarregado.

O que chama a sua atenção? Existem três maneiras de passar pelo seu sistema reticular de ativação: coisas que você dá valor, coisas que são diferentes e coisas que lhe ameaçam. Este fato tem implicações profundas para aqueles que pregam e ensinam. Se você quiser chamar a atenção de uma multidão desinteressada, deve atar sua mensagem a um destes três fatores.
Mesmo que compartilhar o evangelho de uma maneira diferente ou ameaçadora possa chamar a atenção dos sem-igreja, acredito que mostrar o seu valor para as pessoas é a forma mais consistente com os ensinamentos de Cristo. Jesus ensinou de uma maneira que as pessoas entendiam o valor e
benefícios do que estava falando.

Ele não tentou levar os sem-igreja ao Reino de Deus usando o medo. Na verdade, dirigiu suas únicas ameaças às pessoas religiosas! Ele confortava os aflitos e afligia os confortáveis!

Uma vez que os pregadores são chamados de comunicadores da verdade, muitas vezes pensamos erroneamente que os não-crentes estão ansiosos para ouvi-la. Na verdade, as pesquisas mostram que a maioria dos americanos rejeita a idéia da verdade absoluta.

O relativismo moral é a raiz dos erros em nossa sociedade. As pessoas se preocupam e se queixam sobre os níveis crescentes da criminalidade, a separação de famílias e o declínio geral de nossa cultura, mas não reconhecem que o que está causando isso é que elas não valorizam a verdade.

Hoje se dá mais valor à tolerância do que à verdade, então é um grande erro se pensarmos que os não-crentes vão correr para a igreja se simplesmente dissermos “Temos a verdade!” A reação delesserá: “É, todo mundo tem a verdade”.

Os proclamadores da verdade não chamam muita atenção numa sociedade que a desvaloriza. Para que isso possa ser superado, alguns pregadores tentam “gritar” para a sociedade, mas pregar falando mais alto não é a solução. Ainda que a maioria dos não-crentes não esteja procurando a verdade, eles estão procurando alívio. Isto nos dá a oportunidade de fazê-los interessados na verdade. Descobri que quando prego algo que alivia a dor ou soluciona problemas, os não-crentes dizem: “Obrigado! O que mais há de verdade neste livro?” Compartilhar os princípios bíblicos que vão de encontro a uma necessidade cria uma maneira de se introduzir mais princípios da Palavra.

Poucas pessoas que vieram para Cristo estavam buscando a verdade. Elas estavam buscando alívio. Jesus ia de encontro às suas necessidades, quaisquer que fossem: lepra, cegueira ou problemas na coluna. Depois que as suas necessidades eram solucionadas, elas sempre ficavam ansiosas por conhecer a verdade sobre este homem que as ajudou em um problema que ninguém podia resolver.
Fonte: Pr. Rick Warren – Livro: Uma Igreja com Propósitos