Dinâmica e Subsídios: Jovens e Adultos: Os Doze Profetas Menores – Lição 05: Obadias – O Princípio da Retribuição

A aula de hoje será sobre o livro de profeta Obadias, o quarto de uma série de 12 livros. A lição tem como título “Obadias – O Princípio da Retribuição”.
– Introduzam o estudo do tema, procurando entender o significado da palavra “retribuição” e depois sobre “Princípio da Retribuição”.

 Procurem primeiro conhecer o que os alunos já conhecem sobre isto. Escutem atentamente a fala de cada um e, a partir das ideias expostas, formulem conjuntamente um conceito, corrigindo ou acrescentando outras informações.

Vocês podem ainda utilizar alguns ditados populares, para ajudar os alunos no entendimento do tema, tais como:
“Quem semeia vento, colhe tempestade”.
“Quem com ferro fere, com ferro será ferido”.

– Depois, apresentem a estrutura do livro do profeta Obadias e sua mensagem.

– Falem sobre o princípio da retribuição no livro de Obadias e depois leiam o texto de reflexão “O Eco e a Vida”.

– Trabalhem o conteúdo da lição, oportunizando a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.

– Para finalizar o estudo do tema, utilizem a dinâmica “Sementes”.

Tenham uma excelente e produtiva aula!

Recomendação:

Professoras e professores,
No momento de preparação da aula, leiam a lição pelo menos 02 vezes, anotem os pontos mais importantes. Pesquisem sobre este tema em livros e sites confiáveis. Não percam o foco do tema da aula, daí a importância de levantar pontos principais e não se prender em pontos pouco relevantes. Preparem-se para ministrar a aula!

Leiam com atenção, este trecho do livro “O Que todo professor de Escola Dominical deve saber”, de Elmer L. Tows:
“Uma professora iniciante de Escola Dominical sentia-se frustrada porque aparentemente não conseguia ser compreendida pela classe. Ela procurou sua mestra favorita, uma professora de Escola Dominical para adolescentes, a fim de pedir ajuda. A professora de adolescentes meneou a cabeça e disse: “Acho que o meu problema era igual ao seu. Quando comecei a lecionar, pensava que deveria ensinar tudo o que sabia, todas as semanas, ou ao menos tudo o que estava listado na revista do professor. Então percebi que se eu levara vinte anos para aprender tudo o que sei, talvez devesse deixar que os alunos estudassem a Bíblia em seu ritmo. Quando mantive o foco no único conceito realmente importante em cada lição, tornei-me uma professora melhor e a Escola Dominical, mais agradável’.
            Muitos professores confrontam-se com a enorme quantia de ensino bíblico que desejam transmitir num tempo muito limitado. Como pode um professor de Escola Dominical discorrer sobre tudo o que se encontra no manual do mestre nos trinta ou quarenta minutos que passa realmente ensinando? Professores eficazes aprenderam a limitar cada lição a uma verdade central. Ensinar um único princípio a cada aula facilita o ensino e o aprendizado. E quando os alunos compreendem um princípio básico, podem supor o restante por si mesmos.
            Um dos primeiros passos ao preparar o plano de aula é identificar uma verdade ou tema central da lição. Se a sua lição não for construída ao redor dessa verdade central, os membros da classe não serão desafiados a aprender. Se tentar comunicar muita coisa numa sala única de aula, os alunos sentir-se-ão sobrecarregados e desestimulados.
            Você só descobrirá a verdade central investindo tempo e energia no estudo da lição. Isso envolve mais do que ler casualmente um trecho das escrituras. Primeiro, você precisa de tempo e lugar definidos dedicados ao preparo das lições. Se possível, estude um pouco a cada dia, em vez de tentar preparar-se apressadamente de uma só vez. Isso lhe dará tempo para refletir sobre o conteúdo e identificar a verdade central”.
Dinâmica: Sementes

Objetivo: Refletir sobre o princípio da semeadura e da colheita.

Material:
01 cesta pequena com sementes variadas.
01 copo descartável pequeno(tipo cafezinho) para cada aluno.


Procedimento:
– Leiam Gl 6.7 “… tudo o que o homem semear, isso também ceifará”.
– Falem: Este é o princípio da semeadura e da colheita.
– Perguntem: Que tipo de sementes estamos semeado? O que estamos colhendo?
– Distribuam 01 copo descartável pequeno(tipo cafezinho) para cada aluno.
– Passem para os alunos a cesta com as sementes e solicitem para que eles retirem no máximo 05 unidades diferentes e coloque-as no copo.
– Depois, orientem para que os alunos falem sobre as ações, representadas pelas sementes, que eles desejam cultivar em suas vidas para que tenha êxito no seu relacionamento com Deus e com o próximo.
– Agora, repitam a leitura de Gl 6. 7.
– Reflitam ainda: Já imaginou a quantidade do que vocês podem receber de volta daquilo que estão plantando?
– Leiam II Co 9.6 “…O que semeia pouco, pouco também ceifará; o que semeia em abundância em abundância também ceifará.”
– Analisem ainda que há sementes que germinam com facilidade, mas há outras que precisam de cuidados especiais para que brotem.
Depois façam uma relação disto com as sementes que estamos cultivando, quais delas necessitam de maiores cuidados e tentativas para produzir frutos.
– Para finalizar, leiam Gl 5.22.
Texto de Reflexão: O Eco e a Vida

Um filho e seu pai caminhavam pelas montanhas. De repente seu filho cai, se machuca e grita:
– Aaaiiiii!
Para sua surpresa escuta a voz se repetir, em algum lugar da montanha:
– Aaaiiiii!
Curioso, pergunta:
– Quem é você?
Recebe como resposta:
– Quem é você?
Contrariado, grita:
– Seu covarde!
Escuta como resposta:
– Seu covarde!
 Olha para o pai e pergunta aflito:
– O que é isso?
O pai sorri e fala:
– Meu filho preste atenção.
Então o pai grita em   direção à montanha:
– Eu admiro você!
A voz responde:
– Eu admiro você!
De novo o homem grita:
– Você é um campeão!
A voz responde:
– Você é um campeão!
O menino fica espantado, não entende. Então o pai explica:
– As pessoas chamam isso de ECO, mas na verdade isso é a vida. Ela lhe dá de volta tudo o que você diz ou faz. Nossa vida é simplesmente o reflexo de nossas ações. Se você quer mais amor no mundo, crie mais amor no seu coração. Sua  vida vai lhe dar de volta o que você deu a ela. Sua vida não é uma COINCIDÊNCIA, é CONSEQUÊNCIA do que você faz.


Autor Desconhecido.

Anúncios

O PREÇO DE UMA CHAMADA? (Atos Cap. 21)

OBJETIVO
Despertar os escolhidos para fazer a obra para quais foram chamados, mesmo que tal decisão venha requerer sacrifícios ou sofrimentos.
IDEIA CENTRAL DO TEXTO
Paulo sendo preso em Jerusalém e a chamada divina.
INTRODUÇÃO
Hoje muitos querem cargos, mas não querem pagar preço. Em Paulo encontramos alguém que não estava atrás de cargos ou títulos, foi escolhido por Deus, e mesmo diante de desafios dolorosos e conselhos contrários, ele não recuou, não desistiu, não murmurou antes preferiu fazer a vontade de Deus, dando-nos o exemplo de obreiro digno.

 O Senhor educa os seus servos no deserto, nos montes, nos vales, nas cavernas…

 A “escola de Deus” é totalmente diferente da “escola secular”. Nesta, os professores, de início, ministram as lições e, só depois, as provas.

 Na “escola de Deus”, o Mestre dos mestres ministra primeiro AS PROVAS e só depois NOS DÁ A LIÇÃO!

 Só depois das provas foi que Davi aprendeu a lição de que, sem Deus não somos nada, não somos ninguém!

CHAMADA DIVINA:
 1. Qual é a sua chamada?  Como tem cumprido sua missão?
·  Todos foram chamados para salvação e entre os que aceitam a salvação Deus escolhe a cada um de acordo a necessidade da obra e é imprescindível que cada um permaneça na vocação em que foi chamado (1 Co 7.20; 14. 28-31; Ef 4.11-16)
·  Precisamos fazer a obra com amor, dedicação e para Glória de Deus então receberá galardão (Jr. 48.10, Rm 12.7; 1 Co 3.9-15)
EXEMPLOS DE PESSOAS CHAMADOS POR DEUS E DESAFIOS:
 2. Princípios dos chamados.

 ·      Davi – Liderou um grupo que tinha motivos suficientes para a derrota –                          1    1º   Sm.22.1,2
·      Josué – Liderou o povo na estratégia de Deus – Js. 6.10;
·      Neemias – Teve firmeza, garra e espírito de luta frente ao grande desafio – 
      Ne. 6.1-3.
·      Moisés – Guiou o povo em direção ás promessas de Deus – Êx.3.
·      José – Sua fidelidade para com Deus revelou seu caráter – Gn. 39.7-10
·      Ester – Teve autocontrole diante dos problemas e transmitiu segurança ao povo – Livro de Ester.
·      Paulo – O líder coerente com o que ensina e prega. Tudo que ele pregava, ele praticava. Isso trouxe confiança aos crentes.
·      Jesus – O maior líder da história da Humanidade formou 12 homens que incendiaram o mundo com o evangelho.

CONCLUSÃO
 O que aprendemos aqui?
1.  Alguns se prontificam e são aceitos, outros são chamados diretamente por Deus.
2.  Antes das promessas se cumprirem, antes ou durante passaremos por provas;
3.  Grandes homens antes de serem reconhecidos foram provados para serem aprovados;
4.  Precisamos fazer a obra com firmeza, e sempre oferecer o melhor que temos;
5.  Na vocação dada por Deus ele não apenas nos envia, antes também vai conosco.
Fonte:
Bíblia de Ajudas Adicionais, Editora Alfalit.
Belmonte, Alex – Curso Liderança Cristã.
Estudo elaborado pelo Diác. Robson G. Santos, Colina – Cariacica (ES).

Currículo do Ano 3 – Juvenis – O Que a Bíblia Fala sobre o Futuro da Igreja Lição 05: Convite de Casamento

Já estudamos neste trimestre sobre os sinais que antecedem o Arrebatamento, o Arrebatamento, o Tribunal de Cristo e na aula de hoje sobre as Bodas do Cordeiro.
– Trabalhem o significado da palavra “Bodas” e depois da expressão “Bodas do Cordeiro”.
Bodas: termo usado para festa ou aniversário de casamento.
Bodas do Cordeiro: Festa de casamento de Jesus com sua noiva, a Igreja.

Agora, falem: Esta lição tem o título “Convite de Casamento”, tendo em vista que nós como participantes da Igreja, somos a noiva do Cordeiro.

– Reflitam com os alunos sobre a organização de um casamento, antes, durante e depois da cerimônia. As tarefas realizadas para esta celebração, os detalhes, há um sem fim de pontos previstos e executados para que a festa aconteça a melhor forma possível.

Agora, façam uma relação entre o casamento terreno com as Bodas do Cordeiro, enfatizando a importância da preparação da noiva, a Igreja, para o encontro com o noivo, Jesus.

– Agora, trabalhem o conteúdo proposto na lição, contextualizando o tema com o tipo de aluno que você tem, buscando durante a aula, a participação e envolvimento do aluno. Dessa forma, a aprendizagem será mais significativa.

– Após o estudo sobre as Bodas do Cordeiro e para finalizar a aula, utilizem a dinâmica “Convite de Casamento”.

Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Convite de Casamento

Objetivo: Realizar fechamento do estudo sobre as Bodas do Cordeiro.

Material:
Convites de casamento
01 quadro e  01 cartolina ou 02 cartolinas
01 pincel atômico ou marcador para quadro branco

Procedimento:
– Apresentem para os alunos alguns convites de casamento.
– Peçam para que os alunos leiam e observem com atenção o conteúdo.
– Agora, proponha para que eles confeccionem um convite de casamento para as Bodas do Cordeiro, utilizando uma cartolina, 01 pincel atômico e as sugestões do tópico seguinte.
– Escrevam no quadro ou cartolina os principais elementos para este convite. Depois do estudo sobre as Bodas do Cordeiro, ficará fácil a elaboração com os pontos sugeridos a seguir:

Nome da noiva e do noivo: Igreja e Jesus
Local de realização: No Céu
Duração da festa: 7 anos aproximadamente
Dia e hora: Ninguém sabe, mas será após o Arrebatamento e o Tribunal de Cristo. Então, esteja preparado.
Convidados: Os salvos de todas as épocas.
Tipo de vestimenta:Vestes brancas, linho fino, puro e resplandecente.
Cântico: Encontra-se em Ap. 5. 9 – 11
Cardápio: Surpresa, mas será servido um jantar.

– Depois, enfatizem a importância da preparação da noiva para este evento tão especial, pois já recebemos o convite para esta festa de casamento.

– Depois, coloquem este convite em local visível. É interessante que os nome da classe e dos professores sejam colocados, para que haja divulgação da produção da turma.  

Fonte: Blog Atitude de Aprendiz, Por Sulamita Macedo.

Família: Célula máter da sociedade?

O homem é um ser social, que nasce e vive em sociedade. Ao  nascer, já é parte de uma família, principal meio social humano, que costumamos chamar de célula máter da sociedade – o espaço primeiro e mais importante para o estudo e desenvolvimento de sociedades.

A primeira vivência do ser humano acontece em família, independentemente de sua vontade  ou da constituição desta.  É a família que lhe dá nome e sobrenome, que determina sua estratificação social, que lhe concede o biótipo específico de sua raça, e que o faz sentir, ou não, membro aceito pela mesma. Portanto, a família é o primeiro espaço para a formação psíquica, moral, social e espiritual  da criança. 

A criança é muito dependente ao nascer. Dentre todas as espécies é o homem que tem o mais longo período de imaturidade e dependência física. Cabe à família o cuidado com a saúde e segurança de seus membros, seja com o bebê ou com o idoso. 

Há o papel desempenhado pela família, mesmo que muitas vezes ela não o perceba, que é o de educadores. À família cabe a formação do caráter, dos valores, das regras morais – que posteriormente serão internalizadas pelos indivíduos como um código pessoal de conduta e ética. A chamada “educação de berço” continua sendo de suma importância e jamais pode ser conseguida em outros espaços sociais como colégio ou até mesmo igrejas. 

Na esfera psíquica, o homem só pode conhecer e reconhecer adequadamente o mundo e a si mesmo a partir de suas relações com os demais. Ele apreende o mundo imitando os outros, desde os primeiros sorrisos até regras sociais externas e maios elaboradas, como usar adequadamente os talheres à mesa. Mais do que isto, moldamos nossa personalidade por volta de seis anos de idade, e é especialmente através de vivências em família que formamos, ou não, a auto estima, o senso de responsabilidade e segurança, o respeito pelo outro e pelas regras sociais estabelecidas, a capacidade de acreditar em nosso potencial e conhecer nossos defeitos e limitações, entre tantos outros aspectos de nossa vida intimista.

Em nossa sociedade, a família é que introduz a criança no meio social; é a família que escolhe – ou em parte seleciona, a partir de seus próprios referenciais – as pessoas com as quais a criança vai relacionar-se, bem como dirige o modo e onde  esta  relação se dará. Assim, como instituição social, a família reflete  as transformações culturais dos povos: valores, usos e costumes, hábitos, pensamento religioso e político, etc. Consequentemente, os problemas sociais serão sempre frutos de uma desestruturação familiar.

Isto fica evidente quando olhamos para os grandes problemas sociais que enfrentamos hoje. Assistimos crianças abandonadas por pais que não souberam planejar sua família ou administrar os conflitos, maiores ou menores, mas sempre existentes na vida a dois. Vemos adolescentes mergulhados em drogas ou prostituição, na sua maioria frutos de lares frios, carentes de afeto e de diálogo. Sofremos ao assistir fatos como as revoltas em abrigos para menores, ou o uso de armas de fogo por jovens instigados pela violência, que nos mostram o quanto nossas famílias têm deixado de trabalhar o respeito pelo próximo e a aquisição de padrões morais rígidos para uma boa consciência pessoal e vivência social.

Não pode haver dúvidas: se queremos mudanças sociais, devemos começar a investir mais no cerne da sociedade, na sua célula máter. Precisamos nos voltar às famílias, num esforço conjunto entre o Estado e a Igreja. Esta é também um espaço social, portanto possui o poder de formar opiniões, onde famílias se reúnem e podem ter seus valores pessoais transformados. 

Precisamos nos lembrar que, mais do que ir `a igreja,  freqüentando templos caríssimos ou simples, nós somos Igreja, e estamos Igreja especialmente em nossos lares, onde somos mais íntimos e singulares. É por esta razão que a Igreja começa em casa – cuidar da família é mais importante do que cuidar de não familiares ou da obra de Deus. É exatamente isto que Paulo enfatiza quando escreve o capítulo 5 de sua primeira carta a Timóteo, especialmente o versículo 8:Se alguém não cuida de seus parentes, e especialmente dos de sua própria família, negou a fé e é pior que um descrente.

A família é a célula máter da sociedade – e saber isto implica entender que famílias abençoadas implicam em igrejas abençoadas, que famílias equilibradas implicam em uma sociedade sadia.


Fonte: CPAD NEWS.
Elaine Cruz

Dicas de Filmes – Filmes para serem trabalhados com alunos em sala de aula.

NENHUM MOTIVO EXPLICA A GUERRA.
A história do grupo AfroReggae e todo o contexto em que foi criado, contada da melhor forma possível: com declarações de seus integrantes e das pessoas ligadas ao projeto desenvolvido na favela carioca de Vigário Geral. A direção de Cacá Diegues e Rafael Dragaud mescla o panorama desolador em que aqueles jovens viviam com uma nova esperança surgida em iniciativas culturais. O filme conta com episódios agressivos, que povoaram a infância dos entrevistados, como brigas entre favelas, arrastões e o tráfico de drogas. O Grupo Cultural AfroReggae nasceu a partir de oficinas musicais dadas no início dos anos 90, quando Vigário Geral estava entre os locais mais violentos do Brasil, e logo se tornou referência em projeto cultural voltado aos jovens carentes do país.
“Nenhum Motivo Explica a Guerra” (que leva o nome do segundo disco lançado pelo grupo) foi exibido em alguns cinemas durante o Festival do Rio e já pode ser encontrado em lojas especializadas. Além do filme, o DVD conta com uma apresentação ao vivo do grupo, com a participação de ilustres convidados como Caetano Veloso, Jorge Mautner, O Rappa e Cidade Negra, entre outros.
_________________________________________________________________________________________________________________________________
Filmes maravilhosso para trabalhar
inclusão, valores, comportamento etc.

MEU NOME É RÁDIO.       

Filme: Meu Nome é Rádio   ( Radio, EUA, 2003)
Um técnico de futebol americano faz amizade com um estudante de colegial que tem sintomas do autismo. Ninguém sabia o nome dele, pois ele não falava e só perambulava em volta do campo de treinamento.  Pelo fato dele gostar de rádios, passou a se chamá-lo de Rádio. assista o trailer:
 _________________________________________________________________________________________________________________________________

 Furacão Camille (imagem não disponivel)

Cries Of Silence 

Após a passagem de um furacão por ilha, a Dra. Walsh encontra a jovem Camille, inconsciente, na praia. Aos poucos, ela descobre que a moça é daquele lugar, embora todos digam que não a…
Gênero Drama
Direção Avery Crounse
Elenco Ed NelsonEllen CrawfordErin BuchananGuy BoydKathleen YorkKaren BlackMichael GenoveseDevere Jehl
Ano de Produção 1995
Origem EUA
_________________________________________________________________________________________________________________________________
 

Pro dia nascer feliz: uma lente sobre a educação

Categoria: Cultura
“Pro dia nascer feliz” tem o mérito de abordar o tema da educação sob forma documental. O filme desmascara o shopping-escola mostrado na TV e mostra o abismo que existe entre as escolas de elite e as escolas públicas. Por Ronan
Junto com o crédito imobiliário, o cinema nacional também é um setor quase totalmente financiado por recursos públicos. Há ainda a semelhança de retirar recursos de todos e atender mais especificamente a classe média. O cinema nacional tem uma enorme dívida com a população brasileira. Apesar do bom exemplo de alguns filmes, como Cronicamente Inviável (2000), Central do Brasil (1998), Tropa de Elite (2007), O Prisioneiro da Grade de Ferro (2003), Notícias de uma Guerra Particular (1999) e Braços Cruzados, Máquinas Paradas (1978), há muito a ser feito.
_________________________________________________________________________________________________________________________________

ESCRITORES DA LIBERDADE

O filme “Escritores da Liberdade“(2007) aborda, de uma forma comovente e instigante, o desafio da educação em um contexto social problemático e violento. Tal filme se inicia com uma jovem professora, Erin, que entra como novata em uma instituição de “ensino médio”, a fim de lecionar Língua Inglesa e Literatura para uma turma de adolescentes considerados “turbulentos”, inclusive envolvidos com gangues.
_________________________________________________________________________________________________________________________________

ILHA DAS FLORES

O documentário Ilha das Flores , de Jorge Furtado produzido em 1989, é de uma grandeza extraordinário no gênero e mostra a banalidade com o ser humano, esse como animal racional. Mostra uma demonstração da mecânica da sociedade capitalista. Acompanhando a trajetória de um simples tomate, desde a plantação até ser jogado fora, o filme mostra o processo de geração de riqueza e as desigualdades que surgem nesse processo. A triste condição de vida dos habitantes da Ilha das Flores deixa as pessoas perplexas. A idéia de o filme mostrar o absurdo desta condição. Seres humanos que são Menos valorizados que os porcos. Mulheres e crianças que em cinco minutos tiram seu alimento diário das sobras dos porcos.
Esta obra mostra a realidade (às vezes com caráter didático), e ao mesmo tempo, mostra o caminho que o tomate fez: plantado, colhido, vendido a um supermercado, comprado por uma dona-de-casa, rejeitado pela dona de casa, jogado no lixo, levado para a Ilha das Flores, rejeitado pelos porcos, e finalmente, encontrado por uma criança com fome(…)
________________________________________________________________________________________________________________________________

A Real Batalha em Seattle

 
O dia 19 de setembro marcou a pré-estréia do docudrama independente, há muito tempo esperado, A Batalha em Seattle, um filme escrito e dirigido por Stuart Townsend, e que tem no elenco Woody Harrelson, Charlize Theron, Ray Liotta, entre outro/as. O filme retrata os protestos épicos contra a Organização Mundial do Comércio em Seattle, no ano de 1999. A história ficcionalizada acompanha um eclético grupo de ambientalistas, anarquistas e curiosos numa das manifestações anti-globalização mais célebres dos últimos anos, que terminou num caos generalizado.
 
É sempre uma coisa estranha ver o evento que você tão bem conhece ser transformado em filme; a adaptação de amados livros para a tela grande sempre tem sido um encontro problemático entre formas diferentes de narrativas, mas quando a adaptação tem uma vida-real, e não uma literária, é difícil saber o que fazer disso tudo.

Nos últimos meses, um grupo de ativistas ligados às questões de justiça social, incluindo David Solnit, autor de um dos próximos livros da AK Press, A Batalha da História da Batalha de Seattle e um dos organizadores chave das manifestações que pararam a cidade de Seattle e fizeram os encontros da OMC fecharem há aproximadamente nove anos atrás, esteve trabalhando para assegurar que a real história sobre o que aconteceu nas ruas de Seattle em novembro de 1999 não fosse perdida na multidão, ou seja dragada pelas grandes indústrias cinematográficas em luzes brilhantes e produtoras-de-mitos.

Escute o David, juntamente com o diretor do filme Stuart Townsend, discutindo o filme e as respostas do/as ativistas no Democracy Now!: www.democracynow.org/2008/9/18/battle_in_seattle_with_a_list
_________________________________________________________________________________________________________________________________

A GUERRA DO FOGO

SINOPSE DO FILME A GUERRA DO FOGO

A Guerra do Fogo  conta a saga de uma tribo e seu lí­der, Naoh, que tenta recuperar o precioso fogo recém-descoberto e já roubado. Através dos pântanos e da neve, Naoh encontra três outras tribos, cada uma em um estágio diferente de evolução, caminhando para a atual civilização em que vivemos. Os sons e a linguagem embrionária do filme são criações do escritor Anthony Burgess, o mesmo de Laranja Mecânica. Mistura de ficção cientí­fica e aventura, o filme é uma perfeita reconstituição da pré-história, tendo como eixo a descoberta do fogo. Fantástico e visionário, o filme é uma aula de história e cinema.


Diretor: Jean-jacques Annaud
Elenco: Rae Dawn, Ron Perlman, Everett Mcgill 

Fonte:www.submarino.com.br
 ________________________________________________________________________________________________________________________________

Sinopse

Quando nasceu, Raun era um saudável e feliz bebê. Com o passar dos meses, seus pais começam a observar que há alguma coisa estranha com ele, sempre com um ar ausente. Um dia vem a confirmação do que suspeitavam… Raun era autista. Decidem então penetrar no mundo da criança, acreditando que somente o milagre do amor poderá salvá-lo.

Leia mais: http://pedagogiadacultura.webnode.com.br/dicas-de-filmes-/

Aula 05 – OBADIAS: O PRINCÍPIO DA RETRIBUIÇÃO

                4º Trimestre/2012

Texto Básico: Obadias 1:1-4,15-18

 “Porque o dia do SENHOR está perto, sobre todas as nações; como tu fizeste, assim se dará contigo; a tua maldade cairá sobre a tua cabeça” (Ob 15).

INTRODUÇÃO


Obadias, o livro mais curto do Antigo Testamento, representa um dramático exemplo da resposta de Deus a qualquer um que maltrate seus filhos. Deus retribui as ações arrogantes do homem no devido tempo.


Edom era uma nação montanhosa que ocupava uma região a sudoeste do mar Morto. Como descendentes de Esaú (Gn 25:19-27:45), os edomitas tinham um parentesco de sangue com Israel e eram guerreiros robustos, impetuosos e orgulhosos. Pertenciam a uma nação que, por estar no alto da montanha, parecia ser invencível. De todos os povos, deveriam ser os primeiros a se apressar para ajudar seus irmãos do Norte, Israel. Entretanto, ao contrário, apreciavam com maligna satisfação os problemas de Israel, capturavam e devolviam os fugitivos ao inimigo e até saqueavam os seus campos. Por causa de sua indiferença em relação a Deus, por terem-no desafiado, e também pelo orgulho, covardia e traição aos seus irmãos de Judá, os edomitas foram condenados e destruídos – é o princípio da retribuição.


Quando a Igreja sofre nas mãos dos inimigos de Deus, ela precisa voltar-se para a profecia de Obadias e renovar a sua fé no Deus justo ali revelado. Ele se preocupa com o seu povo perseguido e, por trás das circunstancias presentes, sempre trabalha por ele.


I. A SOBERANIA DE DEUS


1. Conceito. A declaração mais comum citada nas Igrejas é: “Deus é soberano”. Mas qual o conceito bíblico de soberania? Sendo um dos seus atributos (aquilo que lhe é próprio, qualidade), a soberania de Deus é uma autoridade inquestionável que o Senhor detém sobre o Universo, pelo fato óbvio de que Ele é o Criador  e Governador de todas as coisas(Is 44:6;45:6; 46:10; Ap 11:17).


Deus é onipotente, onipresente e onisciente, e, em virtude destes atributos, é soberano, visto que tem todo o poder, está presente em todos os lugares ao mesmo tempo e sabe de todas as coisas. Sem tais atributos, com os quais se relaciona com o mundo, não poderia ser soberano, não teria a autoridade suprema sobre tudo e sobre todos.


Deus, na sua soberania, havia determinado que o filho mais velho de Isaque serviria ao mais moço (Gn 25:23). A linhagem do Messias passaria por Jacó, e não por Esaú. A escolha divina não se baseava em mérito, porque os dois ainda não eram nascidos quando Deus fez sua escolha (Rm 9:11-13). A eleição divina é baseada totalmente na graça e não em merecimentos. Isaque, tolamente, tentou alterar o desígnio de Deus, endereçando a bênção a Esaú (Gn 27:1-4), e Rebeca, por outro lado, tentou manipular as coisas de forma pecaminosa para ajudar na consecução do propósito divino (Gn 27:5-17). Não podemos insurgir-nos contra os propósitos soberanos de Deus, nem precisamos dar uma mãozinha para o Senhor. Ele é poderoso para fazer cumprir seus planos eternos (Jó 42:2). Tanto Isaque quanto Rebeca erraram em suas atitudes. Ambos deixaram de confiar em Deus e de descansar na sua sábia providência. Todas as vezes que tentamos tomar os rumos da vida em nossas próprias mãos, descrendo da Providência, atropelamos as coisas, causamos muitos males a nós mesmos e provocamos nos outros grandes sofrimentos.


2. Livre arbítrio. A soberania de Deus permitiu que o ser humano fosse criado com um atributo, o livre-arbítrio, que é a faculdade mediante a qual o homem é dotado de poder para agir sem coações externas, e de acordo com sua própria vontade ou escolha. Como um livre agente, o ser humano tem a capacidade e a liberdade de escolha, inclusive a de desobedecer a Deus (Dt 30:11-20 e Js 24:15). Isso, por si só, é suficiente para que ele seja responsável pelas consequências de seus atos.


O Senhor não quis criar seres autômatos, verdadeiros “robôs”, mas, na sua soberania, quis que fossem criados seres que, assim como Ele, pudessem saber o que é o bem e o que é o mal, e, portanto, tivessem liberdade para escolher fazer o bem, seguindo, assim, as determinações divinas, ou de fazer o mal, ou seja, escolherem ter uma vida em que estivessem distantes de Deus. Essa liberdade de escolha aparece já nos primórdios de Gênesis, na aurora da raça humana, quando o primeiro casal dá ouvidos à serpente e comete por sua livre vontade a primeira transgressão contra Deus(Gn 3:1-13).


Ao indicar ao homem que ele tinha liberdade, o texto sagrado diz-nos que o Senhor “ordenou” ao homem” (Gn 2:16), numa clara demonstração que o fato de o homem poder comer livremente das árvores do jardim era resultado da soberania divina, não demonstração de sua fraqueza. Se o homem optasse por comer da árvore da ciência do bem e do mal, como acabou optando, nem por isso Deus deixaria de ser soberano. Tanto assim é que, no dia da queda, Deus não só compareceu na viração do dia para ter um relacionamento com o homem, como também lhes aplicou as penalidades que já haviam antes sido prescritas (Gn 2:16,17). Aliás, esta prontidão em fazer justiça é uma das características da sua soberania.


Portanto, quando o homem peca, afastando-se de Deus (é o homem que se afasta de Deus, não o contrário, como podemos ver claramente em Gn 3:8 e em Tg 4:8), usa da liberdade que o Senhor lhe dá, mas Deus, em momento algum, se ausenta do mundo ou se distancia do homem para que este possa “respirar liberdade”, como defende a falaciosa “teologia relacional” ou “teísmo aberto” (um dos pontos principais dessa falsa teologia é que ‘Deus não é soberano’), porque a liberdade que Deus dá ao homem não implica em ausência nem afastamento de Deus, até porque Deus é onipresente, tem de estar presente em todos os lugares, em todo o tempo; caso contrário, não seria Deus. Portanto, o livre arbítrio não nega a soberania de Deus; pelo contrário, a confirma.


II. O LIVRO DE OBADIAS


Obadias é o menor livro do Antigo Testamento, com apenas vinte e um versículos. O fato de Obadias ser o menor não significa que ele é menos importante. Há lições grandiosas contidas neste livro que precisam ser exploradas. Há alertas solenes que precisam ser ouvidos. Há juízos severos que precisam ser evitados. O livro de Obadias tem uma mensagem urgente, oportuna e necessária para a família, a igreja e as nações. Este livro, mais do que qualquer outro, mostra os frutos amargos dos erros cometidos no passado por uma família piedosa.


1. Contexto histórico. Para que possamos entender o livro de Obadias, precisamos entender o contexto em que o profeta está inserido. Séculos antes de Obadias, Jacó e Esaú, os dois filhos de Isaque, tiveram descendentes que, séculos mais tarde, formaram as nações de Judá e Edom. As relações entre estas duas nações foram marcadas pela hostilidade através do período do Antigo Testamento. O rancor começou quando os dois irmãos gêmeos Esaú e Jacó se dividiram em disputa (cf Gn 27:32–33). Os descendentes de Esaú, consequentemente, se estabeleceram numa área chamada Edom, situada ao sul do mar Morto, enquanto os descendentes de Jacó destinaram-se à terra prometida, Canaã, e se tornaram o povo de Israel. Com o passar dos anos numerosos conflitos se desenvolveram entre os edomitas e os israelitas. Essa amarga rivalidade forma o fundo histórico da profecia de Obadias. Ao longo do período de cerca de 20 anos (605-586 a.C.), os babilônios invadiram a terra de Israel e fizeram repetidos ataques à Jerusalém, a qual foi finalmente devastada em 586 a.C. Os edomitas viram essas incursões como uma oportunidade para eliminar sua amarga sede contra Israel. Então, os edomitas juntaram-se aos babilônios contra seus parentes e ajudaram a profanar a terra de Israel.


Não podemos deixar de crer que Deus, por meio desses acontecimentos, estava julgando seu próprio povo, pois Judá havia sido advertido por Deus acerca de seus pecados. Mas que Ele também iria julgar aqueles que estavam atacando seu povo. Não muito depois desse evento, Deus julgou os edomitas; cinco anos depois de Nabucodonosor ter atacado Jerusalém, ele também expulsou os edomitas de suas terras.


Nos tempos de Cristo, os descendentes dos edomitas foram os da casa de Herodes, chamados de idumeus. Eles mostraram seu desprezo pelos judeus quando os governaram, autorizados pelos romanos, e também pretenderam acabar com o plano da salvação quando Herodes intentou matar o menino Jesus.


Os últimos conflitos entre edomitas e israelitas, entre Esaú e Jacó, estão nas páginas do Novo Testamento. O primeiro é entre Herodes, o Grande, e Jesus (Mt 2:16). Vem a seguir o conflito entre Herodes Antipas e João Batista (Lc 3:19). Herodes Agripa I perseguiu a igreja (At 12:1), e Atos 26 nos mostra o encontro entre Herodes Agripa II e o apóstolo Paulo. No ano 70 d.C., Jerusalém foi destruída pelos romanos; à sua frente estavam membros da família herodiana (edomita). Os judeus foram dispersos e os edomitas acabaram liquidados pelos romanos. Desapareceram para sempre, cumprindo-se o que disse Obadias: “Ninguém mais restará da casa de Esaú” (Ob 18). Os edomitas nunca mais se reergueram, mas os judeus se reagruparam como um Estado, novamente, em 1948.


Este relato é um tipo da vitória da igreja de Deus contra seus inimigos. Hoje, os inimigos fazem aliança para perseguir a igreja, mas no Dia do Senhor, a Igreja, a Noiva do Cordeiro, triunfará sobre todos os seus inimigos. Todos os inimigos de Deus terminam seus dias da mesma maneira: julgados e aniquilados.


O Dia do Senhor virá sobre os ímpios. Não importa quão grande seja seu poder. Eles terão de beber o cálice da ira de Deus. Serão julgados e condenados. Diz o profeta Isaías: “O forte se tornará em estopa, e a sua obra em faísca; ambos arderão juntamente, e não haverá quem os apague” (Is 1:31).


2. Estrutura e mensagem.


a) Estrutura. Obadias começa com um título que identifica a profecia como “visão de Obadias” e que atribui o pronunciamento do Senhor Jeová (v.1). O livro possui duas seções principais:


·   Na primeira seção (vv. 1-14), Deus expressa, através do profeta, sua ardente ira contra Edom, e exige deste uma prestação de contas por sua soberba originada de sua segurança geográfica, e por ter-se regozijado com a derrota de Judá. O juízo divino vem sobre eles. Da sua posição de soberba e falsa segurança, Deus irá derribá-lo (vv 2-4). A terra e o povo serão saqueados e espoliados (vv 5-9). Por quê? Por causa da violência que Edom praticou contra seu irmão Jacó (v.10), porque Edom se regozijou com o sofrimento de Israel e juntou-se com seus atacantes para roubar e violar Jerusalém no dia da sua calamidade (vv 11-13) e porque os edomitas impediram a fuga do povo de Judá e os entregou aos invasores (v.14).


·   A segunda seção (vv. 15-21) refere-se ao Dia do Senhor, quando Edom será destruído juntamente com todos os inimigos de Deus, ao passo que o povo escolhido será salvo, e seu reino triunfará. Apesar do julgamento pelo qual Israel passou, Obadias deixou claro que a nação se ergueria novamente, e que possuiria a terra dos filisteus e dos edomitas, e que iria se alegrar com o reino do Messias (vv 19-21).


b) Mensagem. A mensagem de Obadias é um brado de Deus às nações, às instituições humanas, às igrejas, alertando a todos nós que Deus resiste ao soberbo, e o mal que praticamos contra os outros cairá sobre nossa própria cabeça.


O núcleo da profecia de Obadias é dirigido aos edomitas, por estarem sob o juízo de Deus em virtude da crueldade para com Israel nos dias do seu sofrimento (v.10). Os crimes de Edom são citados na ordem de progressão do seu horror (vv. 11-14): o Senhor não permitirá que fique sem castigo o que Edom fez. O que os edomitas fizeram vai cair sobre as suas próprias cabeças. No entanto, Obadias progride do geral para o particular, do juízo de Deus sobre Edom para o “dia do Senhor”, que vai significar o seu juízo sobre todas as nações, inclusive Israel, e o estabelecimento do reino de Deus.


Os reinos do mundo têm os pés de barro; um Dia eles se tornarão pó, mas o Reino de Deus se erguerá invencível, vitorioso e eterno. Edom caiu, a Babilônia caiu, o império medo-persa caiu, o império grego caiu, o império romano caiu, e todos os demais impérios caíram ou ainda cairão, mas o Reino será do Senhor (Ob 21). O Reino de Deus sobrepuja todos os reinos deste mundo. “Ele cobrirá toda a terra como as águas cobrem o mar” (Hc 2:14). O Reino será do Senhor e do seu Cristo eternamente. Escreveu João: “O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos” (Ap 11:15).


3. Posição no Cânon. Obadias não declara quando entregou sua severa denúncia profética. Datar o escrito, que é o livro mais curto do Antigo Testamento, é um problema. Talvez a chave encontre-se no versículo 11, mas os estudiosos discordam entre si quanto a que evento especifico na historia de Jerusalém se refira a profecia de Obadias. É provável que tenha entregado sua mensagem logo em seguida à queda de Jerusalém diante de Nabucodonosor, em 586 a.C. Caso prevaleça esta posição, então a colocação de Obadias entre Amós e Jonas não está baseada na cronologia.


Embora o Novo Testamento não se refira diretamente a Obadias, a inimizade tradicional entre Esaú e Jacó, que subjaz a este livro, também é mencionado no Novo Testamento. Paulo refere-se à inimizade entre Esaú e Jacó em Rm 9:10-13, mas passa a lembrar da mensagem de esperança que Deus nos dá: todos os que se arrependerem de seus pecados, tanto judeus quanto gentios, e invocarem o nome do Senhor, serão salvos (Rm 10:9-13).


III. EDOM, O PROFANO


1. Origem. Os edomitas eram os descendentes de Esaú, e Judá era a descendência de Jacó. Esaú e Jacó eram irmãos gêmeos, portanto essas duas nações nasceram do mesmo ventre (o ventre de Rebeca, esposa de Isaque). Eram nações gêmeas. Porém, a inabilidade de Isaque e Rebeca acabou provocando ciúmes nos filhos e abrindo uma brecha para o ódio, que não cessou de arder por cerca de dois mil anos.


Tudo começou com um erro de Isaque e Rebeca, pais de Esaú e Jacó. Esses pais cometeram o grave erro de ter preferências por um filho em detrimento do outro. Isaque amava mais a Esaú, e Rebeca tinha predileção por Jacó (Gn 25:28). Essa falta de sabedoria dos pais plantou no coração dos filhos a semente maldita da inimizade, do ódio e da competição. Esse ódio trouxe profundas feridas na vida dos pais, separou os irmãos e atravessou as gerações, desembocando agora em uma atitude irracional de maldade dos edomitas, ao associar-se com os invasores que arrasaram os seus irmãos judaítas. Essa atitude perversa e cruel dos edomitas unindo-se aos caldeus para oprimir, escravizar e matar os judeus foi a gota que transbordou do cálice, trazendo o juízo peremptório de Deus aos edomitas (Ob 10; Ml 1:2-5).


Esaú tornou-se um jovem profano e rejeitou sua herança por um prato de lentilhas (Gn 25:30; Hb 12:16). Alguém disse que essa refeição foi a mais cara da história, jamais alguém pagou um preço tão alto por uma sopa. Esaú demonstrou seu desprezo pelas coisas espirituais. Por ser um homem profano, era materialista. Os valores espirituais não tinham importância para ele. Essa mesma atitude é seguida pelos seus descendentes. Eles se tornaram profanos e materialistas. Embora tivessem divindades, foram essencialmente irreligiosos, vivendo para comer, saquear e vingar-se.


2. O orgulho leva à ruína. Obadias descreve Edom como um povo orgulhoso (Ob 3). Edom habitava no monte Seir, uma cordilheira de montanhas rochosas. Ali estava a capital Petra, a inexpugnável cidade edomita. Do alto de suas rochas escarpadas, os edomitas se vangloriavam de colocar o seu ninho entre as estrelas (Ob 4). Jamais aquela fortaleza havia sido saqueada. Eles se sentiam seguros, blindados por uma fortaleza natural. Mas Deus diz por meio do profeta Obadias que, ainda que eles colocassem o seu ninho entre as estrelas, de lá seriam derrubados. A soberba é a sala de espera do fracasso. Onde o orgulho levanta sua bandeira, a derrota fragorosa é inexoravelmente imposta.


A arrogante cidade dos edomitas foi tomada, seus bens foram saqueados, seu povo foi disperso e eles colheram exatamente o que plantaram. O mal que eles despejaram sobre a cabeça dos judeus caiu sobre a sua própria cabeça.


Assim como o povo de Edom foi destruído por causa de seu orgulho, todos os que desafiam a Deus também serão aniquilados.


IV. A RETRIBUIÇÃO DIVINA


1. O princípio da retribuição. Retribuição significa “pagar na mesma moeda”. Tal princípio acha-se na Lei de Moisés (Ex 21:23-25; Lv 24:16-22; Dt 19:21). Os pecados de Edom foram orgulho e crueldade. A soberba econômica e política, associada a uma posição geográfica privilegiada fez dos edomitas um povo altivo e soberbo. Alem da soberba, Edom entregou-se à crueldade, associando-se aos caldeus na matança do povo de Judá, seus parentes chegados. Essa atitude abriu feridas no coração de seus irmãos e também atingiu o coração de Deus. A retribuição divina não se fez esperar. O mal que Edom fez a Judá caiu sobre a sua própria cabeça.


A vida é uma semeadura. Colhemos o que plantamos. Aqueles que plantam o mal colhem o mal. Aqueles que semeiam vento colhem tempestade. Aqueles que semeiam na carne, da carne colhem corrupção. Aquilo que fazemos aqui determinará nosso destino amanhã. Querer fazer o mal e receber o bem é zombar de Deus, e de Deus ninguém zomba (Gl 6:7).


2. O castigo de Edom. O castigo de Edom foi profetizado por Obadias de forma segura: “…porque o SENHOR o falou” (Ob 18). Essa expressão é como a assinatura do Eterno, que afirma a verdade da profecia. Uma vez que Jeová falou, essas declarações têm autoridade e são seguras.


Edom não agiu com urbanidade nem com fraternidade em relação aos judaítas. Eles olhavam para os judaítas como inimigos. Não defenderam seus irmãos nem choraram pela tragédia que sobre eles se abateu. Antes, vibraram com sua ruína e participaram de sua pilhagem. Esse gesto não apenas fez amargar a vida dos judaítas, mas provocou a ira de Deus. Foi a quebra desse princípio do amor fraternal que levou Edom à sua derrota final e definitiva.


A derrota de Edom não procede de homens, mas de Deus. Sua sentença de morte não foi lavrada num tribunal da terra, mas no tribunal do céu. A inescapabilidade de sua derrota não se deve ao juízo dos homens, mas à sentença de Deus: “… porque o SENHOR o falou” (Ob 18). A sentença de Deus é irrevogável e inapelável. Não há um tribunal superior a quem recorrer. O tribunal de Deus é a última instância, e sua sentença é definitiva e final. Insurgir-se contra Deus e contra seu povo é marchar rumo a uma derrota inevitável, inexorável e irreversível.


O rev. Hernandes Dias Lopes, citando Clyde Francisco, diz que, em 312 a.C, os árabes nabateusexpulsaram os edomitas do seu reduto próximo ao mar Vermelho, capturando a capital dos idumeus, Sela, e rebatizando-a como Petra. Segundo a profecia de Obadias, os seus descendentes vieram a se estabelecer no Neguebe e, por meio de casamentos com outros povos, tornaram-se os idumeus do Novo Testamento. Herodes, o Grande, veio desta linhagem, de modo que nela e em Jesus podemos ver, por outro ângulo, a luta e o contraste entre edomitas e israelitas. Em 70 d.C, Tito destruiu tanto os idumeus (edomitas) como os israelitas, fazendo os primeiros desaparecer definitivamente da história.


3. A história está rigorosamente nas mãos de Deus. Os edomitas pensaram que estavam ajudando a colocar uma pá de cal sobre Judá. Eles pensaram que a Babilônia estava no controle da situação e que eles eram seus coadjuvantes na empreitada de destruir Jerusalém. Mas as rédeas da história não estão nas mãos dos poderosos deste mundo. Quem está assentado na sala de comando do Universo é o Deus Todo-poderoso. É Deus quem conduz a história para o seu fim glorioso, quando seu povo será exaltado e glorificado.


CONCLUSÃO


Deus julgará e punirá com rigor a todos os que maltratarem seu povo. Podemos confiar em sua vitória final. Ele é nosso Defensor e podemos ter a certeza de que Ele fará com que a verdadeira justiça prevaleça. Todos os que são orgulhosos um dia ficarão perplexos ao descobrirem que ninguém está isento da justiça divina.


A mensagem de Obadias culminará no dia em que o Messias voltar, de uma vez por todas, para reunir seu próprio povo dentre todas as gentes e para reinar sobre ele por mil anos, e após, nos novos céus e nova terra, em seu reino eterno. Amém!

——–

Elaboração: Luciano de Paula Lourenço – Prof. EBD – Assembléia de Deus – Ministério Bela Vista. Disponível no Blog: http://luloure.blogspot.com

Referências Bibliográficas:

William Macdonald – Comentário Bíblico popular (Antigo Testamento).
Bíblia de Estudo Pentecostal.
Bíblia de estudo – Aplicação Pessoal.
O Novo Dicionário da Bíblia – J.D.DOUGLAS.
Comentário Bíblico NVI – EDITORA VIDA.
Revista Ensinador Cristão – nº 52 – CPAD.
A Teologia do Antigo Testamento – Roy B.Zuck.
Comentário Bíblico Beacon, v.5 – CPAD.
Obadias e Ageu (uma mensagem urgente de Deus à igreja contemporânea) – Rev.Hernandes Dias Lopes.

Videos e Slides – LIÇÃO 05 – OBADIAS – O PRINCÍPIO DA RETRIBUIÇÃO / TEXTO AÚREO / VERDADE PRÁTICA / INTRODUÇÃO


 Texto áureo: “Porque o dia do SENHOR está perto, sobre todas as nações; como tu fizeste, assim se fará contigo; a tua maldade cairá sobre a tua cabeça” (Ob 1.15).


Verdade prática: Obadias mostra que a lei da semeadura e o princípio da retribuição constituem uma realidade da qual ninguém escapará.

Introdução: A soberania divina é um tema importante e atual, porque lembra-nos que Deus está no controle de tudo e que toda ação humana está exposta diante de seus olhos. A lei natural da semeadura ilustra o princípio da retribuição no campo espiritual, e é justamente essa a mensagem que encontramos no livro do profeta Obadias, em seus oráculos contra Edom.

_________________________

OBS: O tamanho original de cada slide é 28×19, para manter as proporções e qualidades dos slides sugerimos alterar o tamanho do seu slide no PowerPoint em “Design” e depois “Configurar página”.

Referência bibliográfica

Revista Lições Bíblicas. OS DOZES PROFETAS MENORES, Advertências e Consolações para a Santificação da Igreja de Cristo. Lição 05 – Obadias – O princípio da retribuição. Texto áureo. Verdade prática. Introdução. Editora CPAD. Rio de Janeiro – RJ. 4° Trimestre de 2012.

LIÇÃO 05 – OBADIAS – O PRINCÍPIO DA RETRIBUIÇÃO / I A SOBERANIA DE DEUS

1. Conceito. A soberania divina é o direito absoluto de Deus governar totalmente as suas criaturas segundo a sua vontade (Sl 115.3; Is 46.10). Calvinistas e arminianos concordam com esse conceito. A diferença entre ambos acerca da soberania está apenas no exercício desta.



Segundo os calvinistas, não há limite para o exercício desse governo, de modo que a vontade divina não pode ser anulada. Os arminianos, por outro lado, admitem que, no exercício da soberania divina, existe uma auto-limitação suficiente para permitir o livre-arbítrio humano.

2. Livre-arbítrio. A vontade de Deus é que todos sejam salvos (Ez 18.23,32; Jo 3.16; 1 Tm 2.4; 2 Pe 3.9). Entretanto, não são poucos os que se perderão. Tal acontece justamente pelo fato de sermos livres, autoconscientes e, por isso, responsáveis diante de Deus por nossos atos (Ec 12.13,14). Isso se explica pelo livre-arbítrio, e não significa negar a soberania divina. Trata-se da liberdade humana. Deus é soberano em todo o Universo e, por seu amor e poder, preserva sua criação até a consumação de todas as coisas (Ne 9.6; Hb 1.2,3).

LIÇÃO 05 – OBADIAS – O PRINCÍPIO DA RETRIBUIÇÃO / II O LIVRO DE OBADIAS

1. Contexto histórico. A vida pessoal de Obadias é desconhecida. O profeta apresenta-se apenas com o seu nome, sem oferecer nenhuma informação adicional (família e reinado sob o qual viveu e profetizou). Ele simplesmente diz: “Visão de Obadias” (v.1).



A data em que exerceu o seu ministério é uma das mais disputadas entre os estudiosos: vai de 848 a 460 a.C. Tudo indica que os versículos 10 a 14 refiram-se à destruição de Jerusalém por Nabucodonosor, rei de Babilônia, em 587 a.C. Portanto, qualquer data, nesse período, como 585 a.C. por exemplo, é aceitável.

2. Estrutura e mensagem. Com apenas 21 versículos, Obadias é o livro mais curto do Antigo Testamento. Excetuando-se a introdução, o seu estilo é poético. O texto divide-se em três partes principais: a destruição de Edom (vv.1-9); a sua maldade (vv.10-14) e o dia do Senhor sobre Edom, Israel e as demais nações (vv.15-21).

O tema do livro é o julgamento divino contra Edom. Obadias, porém, não é o único profeta incumbido de anunciar a condenação dos filhos de Esaú (Is 21.11,12; Jr 49.7-22; Ez 25.1-14; Am 1.11,12; Ml 1.2-5).

3. Posição no Cânon. Em nossa Bíblia, Obadias situa-se entre Amós e Jonas. O critério para a ordem desses livros é ainda desconhecido. Sabe-se, todavia, que não foi baseado na cronologia. Há quem justifique tal posição pelo slogan “o dia do SENHOR” (v.15; Am 5.20) e pela afirmação de que a casa de Jacó possuirá a herdade de Edom (v.17; cp. Am 9.12).


Devido ao Cânon Judaico considerar a coleção dos Doze Profetas um só livro, a citação de Obadias, em o Novo Testamento, é apenas indireta.


LIÇÃO 05 – OBADIAS – O PRINCÍPIO DA RETRIBUIÇÃO / III EDOM, O PROFANO


1. Origem. Os edomitas eram descendentes de Esaú. Por causa do guisado que Jacó usou para comprar de Esaú a sua primogenitura, o nome da tribo passou a ser “Edom” que, em hebraico, significa “vermelho” (Gn 25.30).

Eles povoaram o monte Seir (Gn 33.16; 36.8,9,21) e, rapidamente, transformaram-se em uma poderosa nação (Gn 36.1-43; Êx 15.15; Nm 20.14). Seu rei negou passagem a Israel por seu território, quando os filhos de Jacó saíram do Egito e peregrinavam no deserto a caminho da Terra Prometida. Mesmo assim, Deus ordenou aos israelitas que tratassem os edomitas como a irmãos (Dt 23.7). Contudo, o ódio de Edom contra Israel cresceu e atravessou séculos.



2. O Deus soberano. “Assim diz o Senhor JEOVÁ a respeito de Edom” (v.1). Esta chancela destaca a soberania de Deus sobre os povos e reis da terra. Apesar de Edom não ser reconhecido como povo de Deus, o Eterno tinha legítima autoridade sobre ele.

3. Preparativos do assédio a Edom (v.1c). A expressão: “temos ouvido a pregação” parece indicar que Obadias falava em nome de outros profetas (Jr 49.14). Ele ouviu o oráculo divino e soube de um embaixador que fora enviado aos povos vizinhos para ajuntá-los em guerra contra Edom. Tal embaixador não era profeta, mas um diplomata de alguma nação inimiga dos edomitas.

4. O rebaixamento de Edom. No Antigo Testamento hebraico, existe um recurso retórico que consiste em um acontecimento futuro, que é descrito como se já tivesse sido cumprido. Por isso, o profeta emprega o verbo no passado: “Eis que te fiz pequeno entre as nações” (v.2a).

Esse recurso é conhecido como perfeito profético (não se trata de um perfeito gramatical especial). Seu emprego, aqui, indica o cumprimento certeiro da ameaça quanto à sucessão dos dias e das noites. Ou seja, o fato é descrito como já realizado, pois Deus reduzirá (como de fato, reduziu) Edom a um povo insignificante e desprezível entre as nações, até que este veio a desaparecer (v.2b).

5. O orgulho leva à ruína. Por viverem nas cavernas montanhosas de Seir (v.3), os edomitas confiavam na segurança que lhes proporcionava a topografia de seu território — uma fortaleza naturalmente inexpugnável. Edom não sabia que aquilo que é inacessível ao homem é acessível a Deus (v.4). A arrogância humana é insuportável, mas a soberba espiritual é repugnante; os que assim agem estão destinados ao fracasso (Pv 16.18; 1 Pe 5.5).
_________________________

OBS: O tamanho original de cada slide é 28×19, para manter as proporções e qualidades dos slides sugerimos alterar o tamanho do seu slide no PowerPoint em “Design” e depois “Configurar página”.

Referência bibliográfica

Revista Lições Bíblicas. OS DOZES PROFETAS MENORES, Advertências e Consolações para a Santificação da Igreja de Cristo. Lição 05 – Obadias – O princípio da retribuição. III Edom, o profano. 1. Origem. 2. O Deus soberano. 3. Preparativos do assédio a Edom (v. 1c). 4. O rebaixamento de Edom. 5. O orgulho leva à ruína. Editora CPAD. Rio de Janeiro – RJ. 4° Trimestre de 2012.