Currículo do Ano 3 – Juvenis – O Que a Bíblia Fala sobre o Futuro da Igreja Lição 07: A Bela e a Fera

Falem: O título desta lição “A Bela e a Fera” é o mesmo de um conto de fadas bastante conhecido.

– Perguntem: Alguém pode fazer um resumo deste conto?
Aguardem as respostas e depois acrescentem outras informações(veja resumo do conto postado abaixo).

– Agora, falem a razão deste título para esta lição – veja explicação na revista(página 49).

– Falem que nesta lição aparecem 03 personagens: A Mulher, o Menino e o Dragão.

– Depois, apresentem  para os alunos o que simboliza cada personagem, de forma clara e objetiva.
Leiam os versículos que apresentam suas descrições e falem sobre o que representa cada figura.


– Depois, apresentem para os alunos um envelope e falem que nele há uma mensagem muito importante para eles. Então, peçam para que um aluno abra o envelope e leia a mensagem para a classe. Ao abrir, ele vai verificar que é impossível a leitura, pois não conhece o código.
Observação: A Mensagem deve ser digitada com a fonte Bookshelf Symbol 7 ou outra fonte em códigos.
 Veja como fica  Apocalipse 1.1-3:

“Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João seu servo;

O qual testificou da palavra de Deus, e do testemunho de Jesus Cristo, e de tudo o que tem visto.

Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo”.


– Falem: Só podemos entender a mensagem quando o código é decifrado. Mas, qual a mensagem deste texto em símbolos? Então, leiam Ap 1.1 a 3. Após a leitura, perguntem o que os alunos entenderam.

“Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João seu servo; O qual testificou da palavra de Deus, e do testemunho de Jesus Cristo, e de tudo o que tem visto. Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo”.

– Falem: Hoje, tivemos a oportunidade de estudar e desvendar alguns símbolos representando 03 personagens, apresentados no livro do Apocalipse.

– Para finalizar, utilizem a dinâmica “Que símbolo lembra você?”

Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Que Símbolo lembra você?

Objetivos:
Concluir estudo sobre a simbologia da Mulher, Menino e Dragão.
Escolher símbolo para representação de si mesmo.

Material:  ½ folha de papel ofício.

Procedimento:
Depois do estudo sobre a  simbologia da Mulher, Menino e Dragão, entreguem a metade da folha de papel ofício para cada aluno.
– Solicitem aos alunos que pensem em um símbolo para representá-los, como por exemplo: um objeto ou animal.
– Lembrem aos alunos que os símbolos normalmente referem-se à função ou atuação de algo ou alguém. Apresentem alguns exemplos:

Leão: tem muita garra para lutar, vencer.
Girafa: tem uma visão mais ampla de uma situação.
Gato: manhoso, preguiçoso
Formiga: trabalha muito ou muito atuante.
Águia: pensa para agir, tem estratégias e planejamentos
Macaco: Inquieto
Palha de aço(BomBril): mil e uma utilidades.
Liga: promove união.
Borracha: apaga mágoas, não guarda rancor.
Nó cego: pessoa de difícil convivência.

– Solicitem que os alunos façam um desenho do objeto ou animal escolhido e escrevam o porquê desta escolha.
– Para finalizar, peçam para que os alunos socializem com os colegas os símbolos escolhidos.

Por Sulamita Macedo.

Resumo do conto A Bela e a Fera:
‘O conto “A Bela e a Fera” relata a história da filha mais nova de um rico mercador, que tinha três filhas, porém, enquanto as filhas mais velhas gostavam de ostentar luxo, de festas e lindos vestidos, a mais nova, que todos chamavam Bela, era humilde, gentil, e generosa, gostava de leitura e tratava bem as pessoas.
Um dia, o mercador perdeu toda a sua fortuna, com exceção de uma pequena casa distante da cidade. Bela aceitou a situação com dignidade, mas as duas filhas mais velhas não se conformavam em perder a fortuna e os admiradores, e descontavam suas frustrações sobre Bela, que humildemente não reclamava e ajudava seu pai como podia.
Um dia, o mercador recebeu notícias de bons negócios na cidade, e resolveu partir. As duas filhas mais velhas, esperançosas em enriquecer novamente, encomendaram-lhe vestidos e futilidades, mas Bela, preocupada com o pai, pediu apenas que ele lhe trouxesse uma rosa.
Quando o mercador voltava para casa, foi surpreendido por uma tempestade, e se abrigou em um castelo que avistou no caminho. O castelo era mágico, e o mercador pôde se alimentar e dormir confortavelmente, pois tudo o que precisava lhe era servido como por encanto.
Ao partir, pela manhã, avistou um jardim de rosas e, lembrando do pedido de Bela, colheu uma delas para levar consigo. Foi surpreendido, porém, pelo dono, uma Fera pavorosa, que lhe impôs uma condição para viver: deveria trazer uma de suas filhas para se oferecer em seu lugar.
Ao chegar em casa, Bela, mediante a situação resolveu se oferecer para a Fera, imaginando que ela a devoraria. Ao invés de a devorar, a Fera foi se mostrando aos poucos como um ser sensível e amável, fazendo todas as suas vontades e tratando-a como uma princesa. Apesar de achá-lo feio e pouco inteligente, Bela se apegou ao monstro que, sensibilizado a pedia constantemente em casamento, pedido que Bela gentilmente recusava.
Um dia, Bela pediu que Fera a deixasse visitar sua família, pedido que a Fera, muito a contragosto, concedeu, com a promessa de ela retornar em uma semana. O monstro combinou com Bela que, para voltar, bastaria colocar seu anel sobre a mesa, e magicamente retornaria.
Bela visitou alegremente sua família, mas as irmãs, ao vê-la feliz, rica e bem vestida, sentiram inveja, e a envolveram para que sua visita fosse se prolongando, na intenção de Fera ficar aborrecida com sua irmã e devorá-la. Bela foi prorrogando sua volta até ter um sonho em que via Fera morrendo. Arrependida, colocou o anel sobre a mesa e voltou imediatamente, mas encontrou Fera morrendo no jardim, pois ela não se alimentara mais, temendo que Bela não retornasse.
Bela compreendeu que amava a Fera, que não podia mais viver sem ela, e confessou ao monstro sua resolução de aceitar o pedido de casamento. Mal pronunciou essas palavras, a Fera se transformou num lindo príncipe, pois seu amor colocara fim ao encanto que o condenara a viver sob a forma de uma fera até que uma donzela aceitasse se casar com ele. O príncipe casou com Bela e foram felizes para sempre”.
Fonte: Wikipédia

Fonte: Postado no Blog Atitude de Aprendiz, Por Sulamita Macedo.
Anúncios

Currículo do Ano 3 – Adolescentes – Cartas que Ensinam Lição 07: Vista o “sobretudo”, meu filho!

Falem sobre o título da lição, afirmando que esta frase “Vista o “sobretudo”, meu filho!” pode nos reportar aos avisos das mães, no cuidado com os filhos.
– Continuem falando:O apóstolo Paulo também apresenta este cuidado com os irmãos da igreja em Colossos. A carta de Paulo aos Colossenses é a 7ª de um conjunto de 13 que estamos estudando neste trimestre.

– Trabalhem o conteúdo da lição, contextualizando o tema com a vida do aluno, para que a aprendizagem seja mais significativa. A carta aos colossenses traz vários pontos de estudo, então procurem ser objetivos, apresentando pontos principais.

– Para trabalhar Colossenses 3.5 a 14, realizem a seguinte atividade:
Peçam para os alunos listarem as peças que vestem para se preparar para sair de casa em diversas ocasiões.
Depois, relacionem estas peças ao que está descrito em Cl 3. 12 e 13.
Perguntem: Por que Paulo fez esta recomendação?
Enfatizem o que se lê em no versículo 14: “…revesti-os de amor, que é o vínculo da paz”.

– Para finalizar, utilizem a dinâmica  “O Coração Mais Bonito”.

Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: O Coração Mais Bonito

Objetivo: Refletir sobre o amor em ação.

Material:
 01 coração grande.
 01 coração pequeno para cada aluno.
01 pirulito em forma de coração para cada aluno.

Procedimento:
– Falem: “Conta-se que certo homem estava participando de um concurso do Coração Mais Bonito. Seu coração era lindo, sem nenhuma ruga, sem qualquer estrago. Até que apareceu um homem idoso e apresentou seu coração, afirmando que era o mais bonito pois nele havia marcas. Vários tipos de comentários surgiram e perguntaram: “Como seu coração é o mais bonito, com tantas marcas?” O homem idoso então explicou que era por isso mesmo que seu coração era lindo. Aquelas marcas representavam sua vivência, sua experiência, suas atitudes em amar as pessoas. Finalmente, todos concordaram que o coração mais lindo era aquele com marcas de amor em ação”(autoria desconhecida).


– Apresentem o coração grande para a turma e falem que fomos alcançados pelo amor de Deus. Leiam João 3.16. Também afirmem que é pelo amor que somos reconhecidos como discípulos de Jesus, leiam João 13.35.

– Agora distribuam este amor com os alunos, entregando um coração pequeno para cada um.
– Agora, reflitam com os alunos, olhando para o coração que temos nas mãos:
Que marcas deste amor podemos compartilhar com os outros?
 Nós, como integrantes da Igreja, o que estamos fazendo para que as pessoas sejam alcançadas pelo amor de Deus?
Estamos praticando na verdade o amor, cotidianamente, nas ações com o próximo?
– Peçam para que os alunos troquem os corações entre si, promovendo um momento de congratulação, de “troca de amor”, representando as verdadeiras ações amorosas que devem existir entre as pessoas.
– Para finalizar, entreguem para cada aluno um pirulito em forma de coração.

Fonte: Postado no Blog Atitude de Aprendiz, Por Sulamita Macedo.

RG Cristão x Identidade do povo – Crise de Identidade

RG Cristão x Identidade do povo – Crise de Identidade
Por Robson Santos
“…O que nos torna diferente? Quais características definem uma pessoa como cristão? Está escrito “e outra vez vereis a diferença entre o justo e o ímpio” mas que diferença é essa?..”

“A marca de um santo não é a perfeição, mas a consagração. Um santo não é um homem sem faltas, mas um homem que se deu sem reservas a Deus.”
Bishop Westcott
Todos possuem uma identidade ou característica peculiar, segundo definições de terceiros “na identidade ou RG (registro geral), através das impressões digitais existentes nele indica quem nós somos, é a única identificação que diferencia um indivíduo do outro. E um dos maiores problemas desta geração é a falta de identidade.”
Quando pensamos em identidade de alguém ou povo é necessário entender que a sociedade pode ser vista como um grupo de pessoas com semelhanças étnicas, culturais, políticas e/ou religiosas ou mesmo pessoas com um objetivo comum.Somos povo escolhido, nação santa, forasteiros neste mundo, cidadãos dos céus, porém em que somos diferentes?
Dizer que a nossa diferença está no coração, amor, trato pessoal, mansidão, honestidade, coisas só no interior não são suficiente, pois encontramos essas qualidades também em várias pessoas que não servem a Deus. Santo quer dizer separado, mas se participamos das mesmas coisas e vestimos as mesmas roupas, como o mundo poderá enxergar uma diferença nítida em nós? Qual a diferença no exterior?
“Ser membro de uma igreja não faz de alguém um cristão, da mesma forma que ter um piano não faz de alguém um músico.”Autor desconhecido
Diferenciamos grupos, raças ou nações pelo sotaque, modo de vestir, cor, semelhanças étnicas (Paulista, Carioca, Mineiro, Americano e etc.). Na bíblia encontramos várias referências sobre que tipo de roupa, comportamentos, cultura entre outros (Elias, João Batista, Pedro), qual a revelação ou importância para vida presente?
Está escrito “O próprio Deus vos santifique em tudo em vosso espírito, alma e corpo e sede irrepreensíveis….”1 Ts 5.23, sinceramente o que quer dizer isto?
Qual é a sua conclusão sobre estas reflexões? 
Prof. Robson Santos
Entre outros.